A diferença entre ler e contar histórias

Imagem de ParentiPacek por Pixabay

Christiane Angelotti*

Ler ou contar histórias para crianças? Mesmo para as crianças bem pequenas é válida a leitura de um livro?

As duas práticas são extremamente importantes para o desenvolvimento infantil e apresentam diferentes formas de se trabalhar a linguagem. Cada qual tem sua relevância e, na medida do possível, devem estar presentes desde cedo na vida da criança.

Ao ler um livro, o adulto leitor valoriza o suporte físico enquanto objeto portador de histórias, que é decodificado por meio da leitura e esta, por sua vez, é a forma como obtemos o conhecimento a partir do registro gráfico. Ao ler um livro o leitor realiza a leitura da forma como está escrita, fiel ao que o autor escreveu, respeitando pausas, vocabulário e a partir da leitura o texto será interpretado pela criança ouvinte.

Este é um momento no qual a criança enxerga o adulto enquanto leitor, observando sua postura, como virar a página, o direcionamento do olhar, a hierarquia visual na qual a leitura é realizada da esquerda para a direita, a entonação dada, além de perceber as ilustrações contidas no livro, aspectos fundamentais para que a criança desenvolva também sua postura leitora, mesmo antes de aprender a ler.

O encantamento do adulto pela história lida também é compartilhado e percebido por parte da criança ajudando a estimular seu interesse pelo livro.

Contar história, uma tradição da cultura oral, é um exercício de improvisação, no qual quem conta a história é instrumento da narrativa e dá a voz à história. Nessa prática é possível usar vários recursos da linguagem oral, como o próprio corpo, a voz e objetos e isso requer mais contato visual com a criança e interação. Embora não se altere o enredo original da história, há um processo de interpretação de quem conta, fazendo a ponte entre o leitor e o autor da história. A história ganha vida de acordo com a interpretação do contador.

Para a formação do leitor é interessante o contato com as duas formas de se conhecer uma história, pois cada uma reforça diferentes aspectos.

A leitura é forma de lazer, de prazer, de aquisição de conhecimento, de enriquecimento cultural, de interação e o principal encantamento proporcionado pelas histórias é o poder que elas têm de estimular a imaginação do leitor, seja criança ou adulto.

* Christiane Angelotti é autora, especialista em literatura infantojuvenil, editora de literatura e livros de educação.